f 338557 - Saúde pública em estado grave

Saúde pública em estado grave

Está cada dia mais difícil depender do sistema de saúde público no Rio de Janeiro. Os hospitais municipais, antes vistos como uma opção à grave crise que atinge as unidades de saúde estaduais, começam também a sofrer com os reflexos do aumento da demanda somado a má gestão para mantê-los.

salgado filho 1132x670 1024x571 - Saúde pública em estado grave

Todas os oito grandes hospitais municipais da cidade que possuem atendimento de emergência estão sofrendo com a falta de materiais básicos em estoque. Faltam luvas, gazes, remédios simples como antibióticos e analgésicos, e em casos mais graves, como o do Hospital Salgado Filho e o Rocha Faria, faltam roupas de cama para os leitos e sabonete para lavar as mãos, respectivamente.

O problema é tão grande que, para continuar dando conta de cirurgias de emergência, não houve outra alternativa senão suspender, em cerca de 70%, as cirurgias eletivas (programadas).

No Hospital Salgado Filho, no Méier, Zona Norte da cidade, além da roupa de cama, faltam 146 insumos básicos e 57 tipos de medicamentos. Essas baixas fizeram com que o número total de procedimentos cirúrgicos, que gira em torno de 550 ao mês, caísse para cerca de 450 atendimentos no mês passado. A saída encontrada pelas unidades para que o estoque de insumos básicos não fique totalmente zerado é trocar materiais com outros hospitais, em uma espécie de escambo.

A situação é mais grave ainda no Rocha Faria, onde enfermeiros e técnicos chegaram a fazer uma manifestação na porta da unidade, na manhã de ontem. Os funcionários temem o risco de infecções, já que estão em falta sabonete para lavar as mãos e descarpacks, recipientes especiais para o descarte de lixo hospitalar. O hospital só está recebendo os casos mais graves, e o SAMU já não está mais encaminhando pacientes para lá.

f 338557 - Saúde pública em estado grave

Sofrendo com o atraso dos salários, cerca de 30 profissionais já se demitiram do Rocha Faria, e outros 58 faltaram ao plantão da madrugada neste fim de semana. Apesar de 40% do salário de setembro já ter sido depositado, o vale-transporte ainda não foi concedido, o que dificulta o deslocamento dos funcionários até o hospital, que fica em Campo Grande, na Zona Oeste, onde as opções de transporte costumam ser escassas.

 

Como se não bastasse, a Comissão de Saúde da Câmara visitou o hospital e fez uma descoberta aterradora: sem condições adequadas de armazenamento, haviam cadáveres em macas, um deles já há dois dias. Das 24 geladeiras, apenas 9 funcionam, e fora da temperatura adequada.

 

E não há para onde correr. Até as Clínicas da Família, que prestam serviço básico de atendimento, estão sofrendo com falta de funcionários. Desde o início do ano, 174 já foram demitidos devido à falta de repasses de verba da Prefeitura para as Organizações Sociais, que administram hospitais e clínicas municipais.

A situação é gravíssima e os funcionários são unânimes em afirmar que nunca houve uma crise tão grave na saúde municipal. E a tendência é piorar: o orçamento definido pela Prefeitura para a Secretaria de Saúde para o ano de 2018 é de R$ 4,9 bilhões, o equivalente ao de 2016. Se em 2017, cujo orçamento foi de R$ 5,4 bilhões, o quadro já é péssimo, imagine no ano que vem.

A saúde pública do Rio caminha para um colapso. Esta é a gestão do Prefeito que prometeu cuidar das pessoas.

 

Fontes

Para manter cirurgias de emergência, oito hospitais municipais cortam 70% das operações eletivas

Funcionários do Rocha Faria protestam: ‘falta até sabão para lavar a mão’

Comentários