somos oposição a witzel 676x320 - Nota da Comissão Executiva do PT-RJ

Nota da Comissão Executiva do PT-RJ

O PT-RJ considera que a decisão monocrática do ministro do STJ, Benedito Gonçalves, desrespeita o voto popular e o Poder Legislativo, onde tramita um processo de impeachment contra o governador.

Um afastamento cautelar do cargo deveria ser uma decisão do Legislativo estadual e não do Judiciário. Somos oposição a Wilson Witzel.

Seu governo tem uma política de criminalização dos pobres e de segurança genocida. Mas isso não altera a nossa defesa do devido processo legal e das instituições democráticas.

A judicialização e criminalização da política não fizeram bem ao país. A parcialidade do juiz Sérgio Moro, a perseguição ao ex-presidente Lula, os vazamentos de delações criaram o caldo de cultura para ascensão da antipolítica e, junto, veio à ultra-direita e Bolsonaro.

Temos um presidente da República genocida, cercado de denúncias de corrupção e envolvimento com o crime organizado (milícias), que não consegue responder sobre os 89 mil reais depositados na conta de sua esposa por um ex-assessor do seu filho, Queiroz, ligado à milícia.
Bolsonaro nunca escondeu suas intenções. Quer fragilizar a democracia e suas instituições. Sua meta é governar com poder absoluto.

Recuou pela reação do Congresso, do STF, e pela resistência popular, mas não desistiu. Isso fica claro nas suas tentativas de controlar a PF, a ABIN, e mesmo o MPF.

As decisões monocráticas de afastamento de governadores não resolvem os problemas de má gestão, autoritarismo e corrupção. Pelo contrário, reforçam o discurso anti-política.

Não podemos esquecer do discurso de Bolsonaro acusando o combate ao Covid-19 de ser um biombo para a corrupção. Discurso para fugir das suas responsabilidades e para justificar a perseguição aos seus adversários.

O afastamento de Witzel, e os extemporâneos mandados de busca e apreensão do presidente da Alerj e do vice-governador, não devem ser motivo de comemoração, mas de preocupação. Preocupação com o futuro da democracia brasileira.

Rio de Janeiro, 29/08/2020.

Comissão Executiva Estadual do PT-RJ

Comentários