Menu

Sobre a temporada de caça a Jessé Souza

Por Jessé Souza, sociólogo. Publicado originalmente em seu Facebook.

A publicação do meu último livro “A elite do atraso: da escravidão à lava jato” (Leya, 2017)tem provocado reações intensas seja na direita seja na esquerda do espectro político. Dado o conteúdo explosivo do livro, desvelando os meandros da dominação simbólica que permite a rapina material da ínfima elite brasileira sobre a sociedade como um todo, a reação é mais do que esperada.

Da parte da direita, por meio como sempre dos grandes jornais, a tentativa reflete o “modus operandi” da guerra ideológica á qual estamos submetidos. Do mesmo modo que nas guerras materiais mandam-se os mais jovens e mais afoitos ao campo de batalha como bucha de canhão, o mesmo procedimento vale para as guerras ideológicas. Os jovens, ansiosos pela glória militar rápida, se prestam a matar ou morrer e realizar o serviço sujo de quem comanda a investida dos bastidores.

Foi assim no recente golpe parlamentar onde o jovem procurador Deltan Dallagnol e o jovem juiz Sérgio Moro lideraram a infantaria que logrou destruir as bases do Estado de direito e suspender as garantias jurídicas no pais com apoio da coação seletiva da mídia aos seus inimigos de classe. A banalização da democracia que hoje vivemos é resultado direto dessa investida.

Do mesmo modo, o jornal “A folha de São Paulo” do último Domingo escala o jovem historiador Thiago Krause para se contrapor ao meu apertado resumo do livro apresentado duas semanas atrás no mesmo jornal. O afoito jovem sequer leu livro que deveria criticar e, ao modo das redes sociais de hoje em dia, formou posição a partir de um resumo de duas laudas. Se tivesse lido o livro não teria centrado seu argumento em uma disjuntiva entre desigualdade e corrupção que simplesmente não existe no livro.

A tese do livro é exatamente contrária. A manutenção da desigualdade e do ódio ao pobre é funcional para que se desvie a atenção da corrupção real, realizada pela intermediação financeira e pelos oligopólios de comunicação, a qual é distorcida e invisibilizada pela conveniente manipulação midiática da corrupção dos tolos, apenas da política. Assim se mantêm as duas ilusões objetivas da dominação social moderna: a ilusão que a mídia distribui de modo neutro a informação, e a ilusão de que os bancos apenas distribuem dinheiro, quando, obviamente participam e lucram com todo esquema de corrupção. O incauto Krause diz insanidades sobre Sérgio Buarque, inverte o sentido de sua obra, assim como a esquerda brasileira faz há um século, e termina por legitimar a lava jato. A trama se fecha em um círculo perfeito.

Que a folha de São Paulo e a grande mídia faça isso é compreensível. Ela existe para isso e lucra com isso. Mas venho recebendo ataques do mais baixo calão de professores da USP e afins por ter reconstruído os vínculos institucionais da dominação simbólica que mantém a sociedade brasileira, inclusive sua esquerda, colonizada e dominada pelo discurso de seu inimigo. Que a USP participou de modo constitutivo nessa trama e foi criada para isso acho que o livro não deixa lugar a dúvida. É um fato histórico. O que não significa que não existam hoje e tenham existido sempre pesquisadores respeitáveis e admiráveis em seus quadros.

Mas o que acho que provoca efetiva dor de cotovelo nos meus detratores é o fato de ter conseguido, com muito esforço, expor questões complexas de modo simples e compreensível para a maioria das pessoas. Foi a minha maior vitória como pesquisador ter me livrado de minha couraça escolástica, com tudo de ruim e nocivo que ela representa, e poder transmitir o produto de quase 40 anos de estudo e de pesquisa séria para quem realmente precisa e deseja.

A “escolástica”, ou seja, a pretensão que domina uma parte da academia de falar em linguagem hermética só compreensível para iniciados, com citações recíprocas do círculo de amigos para dar a ilusão de importância, é imitação do mais perverso elitismo. É o uso do conhecimento como enfeite e prazer onanista do mesmo modo que a elite financeira usa o dinheiro: como meio de distinção e gozo narcísico. O conhecimento é uma arma poderosa demais para ficar nestes limites restritos.

Eu não disse no “A elite do atraso”, nada que já não venha construindo desde a publicação do “A modernização seletiva” de 2000, passando pelo “A construção social a subcidadania” de 2003, e os trabalhos teórico-empíricos da “A ralé Brasileira” 2009, e os “batalhadores brasileiros” 2010, até o “A tolice da inteligência brasileira” de 2015. A diferença foi unicamente a linguagem mais escolástica desses trabalhos que alguns imbecilizados pelo debate superficial das redes sociais – que só leem entrevistas e comentários de cinquenta linhas – confundem com “rigor científico”. Nunca recebi uma crítica fundamentada até hoje de meus compatriotas a nenhum desses trabalhos. Ao contrário, fui sempre muito elogiado precisamente pelo meu “rigor científico”, seja nos trabalhos teóricos seja nos trabalhos empíricos, até por quem, hoje, me critica da maneira mais vil e baixa. E observem que sempre fui argumentativamente muito duro com quase todos com quem polemizei – que foram muitos – embora jamais tenha sido desleal nem atacado pessoalmente ninguém.

Isso tudo me leva a crer que meu crime, agora, foi ter me transformado em um autor que toca nas questões essenciais, em um país saqueado e sem rumo, com uma linguagem que as pessoas comuns podem entender. Isso é intolerável para uma parte da academia – inclusive da esquerda ou que se imagina enquanto tal – que nunca se identificou com o estudo das questões reais do país e que usam seu capital cultural como outros usam o dinheiro. Pior ainda. Usei tudo que aprendi em décadas de estudos nas melhores universidades do mundo e com o estímulo de alguns dos melhores pensadores vivos para tornar o mundo social e suas fraudes compreensíveis para um porteiro e para uma enfermeira. Esse é meu verdadeiro crime para meus detratores.

Como isso implica também – muita – venda de livros e reconhecimento social pelo trabalho realizado, a dor de cotovelo é compreensível. O fato de meu maior reconhecimento ter se dado em São Paulo – cidade que me acolheu como nenhuma outra e onde encontrei os melhores amigos de minha vida – sendo um nordestino, complica mais ainda a situação de alguns. Alguns me confundiram com mineiro e me mandaram voltar a Minas Gerais. O preconceito regional se alonga no de classe. Não tenho nem quero ter a “politesse” de classe de grande parte da elite intelectual a mesma que sempre se uniu aos interesses dos poderosos. Minhas palavras são duras e secas, porque acredito, com Graciliano Ramos, que é a verdade também é dura e seca. De resto, como aprendi com minha mãe, retirante nordestina, a me tornar mais obstinado quanto maior for a reação, isso não me tira o sono. É uma reação natural a toda ideia verdadeiramente inovadora e forte, como diria Nietzsche.

Aproveito a ocasião para convidar, de público, o Prof. Ruy Braga da USP para um debate público na PUC no dia 21 de Novembro de 2017. Que sua sanha seja usada para o bem, um possível aprendizado mútuo e certamente produtivo para o público que é o principal.

Comentários