Redes Sociais na Política, de vedete a pesadelo

As redes sociais serão sempre destrutivas para a esquerda. Devemos nos deslogar, afirma pesquisador americano

O texto é de Benjamin F. Fong, da Universidade Estadual do Arizona, para a revista Jacobin Mag.

A fantasia das mídias sociais como uma ferramenta mágica de conexão social contrasta com sua realidade:  um esgoto de ataques pessoais e uma indignação paranóica.

É tentador atribuir essa lacuna enorme ao capitalismo não regulamentado: o Facebook e o Twitter praticamente não têm concorrência e se sentem perfeitamente à vontade para fazer tudo, desde manipular dados de usuários até fornecer uma plataforma para discurso de ódio, desde que seja do interesse de seus resultados. Talvez tirar a rede social do controle privado nos permitiria finalmente perceber a fantasia que a sustenta.

Esse é o pensamento de animação por trás da recente peça de Evan Malmgren, “Socialized Media”, que descreve o que pode significar refrear os excessos dos gigantes das plataformas digitais. Em vez de reintroduzir artificialmente a competição por meio de regulamentar esses serviços como serviços públicos (ou até mesmo nacionalizá-los), Malmgren argumenta que devemos preferir ver “redes sociais como um patrimônio público” e entregar “poder coletivo sobre plataformas digitais ao povo”. Em sua opinião, o Estado não deve agir como um “guardião final” das reservas coletivas de dados, mas sim, dada a natureza transnacional dessas corporações, como um intermediário na transição para as cooperativas de usuários.

Por mais interessante que seja pensar nas várias maneiras pelas quais podemos socializar os monopólios das plataformas, Malmgren deixa sem exame uma questão básica: as redes sociais merecem ser salvas?

Em uma sociedade socialista, aproveitaríamos o know-how científico e técnico alcançado no capitalismo para produzir mais ou menos nos mesmos níveis, mas sem a apropriação privada dessa produção ou a destruição do planeta. Em alguns casos, isso pode significar a socialização e a reorientação de uma indústria já existente – o setor bancário, por exemplo -, mas em outros casos, isso provavelmente significa uma eliminação direta ou, pelo menos, uma diminuição drástica.

É inimaginável, por exemplo, que a indústria automobilística seria uma fração de seu tamanho atual sob o socialismo. Nós, sem dúvida, aproveitaríamos o poder da locomoção para movimentar as pessoas, mas isso envolveria coisas como expandir e melhorar nossos sistemas ferroviários em vez de fornecer “carros para todos”.

Podemos reconhecer, no caso dos carros, uma manipulação ideológica e prática básica da consciência pública: a indústria automobilística não apenas convenceu as pessoas de que os carros representam a liberdade de se locomover, mas também de fazer muito para impedir o desenvolvimento de veículos. e degradar o transporte público já existente. Embora possamos realmente precisar de carros em uma sociedade capitalista, não precisaremos de tantos deles em um projetado para pessoas e sustentabilidade, em vez de lucro.

Talvez seja semelhante com as mídias sociais. Sob o capitalismo, onde as pessoas passam a maior parte de suas vidas trabalhando em empregos de que não gostam e sem oportunidades de sociabilidade não estruturada, faz sentido que gastem boa parte de seu “tempo livre” com pequenas explosões de prescrição “social”. interação. É certo que Malmgren está certo de que colocar plataformas digitais sob controle democrático provavelmente levaria a que fossem projetadas para ser menos viciantes e menos manipuladoras. Mas se todos nós tivéssemos empregos de dez horas por semana e, por extensão, o tempo para nos engajarmos em atividades mais significativas de nossa própria escolha, passaríamos tanto tempo olhando para as telas?

Conversas Difíceis

A questão aqui é se os efeitos negativos do capitalismo de plataformas digitais em nossas vidas são específicos do capitalismo, caso em que essas plataformas seriam bens sociais legítimos, se libertados das predações do mercado, ou se essas plataformas, como automóveis particulares, são inexoravelmente ligados às normas destrutivas da sociedade capitalista que provavelmente desapareceriam ou reduziriam em importância sob o socialismo.

Para responder a essa pergunta, vamos começar com um fato chocante: o mau comportamento acontece na internet. Isso também ocorre na vida real, é claro. Mas há uma qualidade especial para a depravação exibida nas mídias sociais que é específica desse domínio.

Por um lado, é feito sem pensar, e no caso do Twitter, isso vai junto com o limite de caracteres. Mas também demonstra uma contradição do caráter psicopático: uma obsessão pela autopercepção dos outros em combinação com uma perturbadora falta de empatia em relação a muitos desses mesmos outros de quem se está buscando, implícita ou explicitamente, validação.

Para muitos pesquisadores, esse comportamento não é meramente expresso, mas ativamente moldado pelas mídias sociais. Em uma meta-análise de setenta e dois estudos, a psicóloga Sara Konrath e sua equipe de pesquisa descobriram que os níveis de empatia entre os estudantes universitários são 40% mais baixos hoje do que há 20 anos – um desenvolvimento que eles atribuem, entre outras coisas. crescente proeminência do uso da mídia na vida cotidiana: “Com tanto tempo gasto interagindo com os outros on-line, em vez de na realidade, a dinâmica interpessoal, como a empatia, pode certamente ser alterada”.

Esta explicação é validada por um estudo em “Cyberpsicologia” que encontrou pouca conexão humana forjada através de mensagens de texto e on-line, apesar das tentativas de “aquecer” a conversa com todas as letras maiúsculas, risos digitados, emoticons e coisas do tipo. O psicólogo cognitivo de Stanford, Clifford Nass, também encontrou “bem-estar social negativo” associado a altos níveis de uso da mídia.

Mais terrivelmente, essa adaptação à conexão digital sobre a conversa humana cria um ciclo de feedback negativo: quanto mais se acostuma a uma interação humana controlável e distanciada, mais a conversa humana real começa a parecer persecutória e desconfortavelmente espontânea e, portanto, algo a ser evitado. De acordo com a socióloga Sherry Turkle, “pessoas reais, com suas formas imprevisíveis, podem parecer difíceis de enfrentar depois que a pessoa passou um tempo na simulação”.

Muita pesquisa também confirmou que a mídia social está reforçando um crescente sentimento de isolamento social. Já em 1998, um grupo da Carnegie Mellon concebeu o “paradoxo da Internet”, em que mais conexões online resultam em maior solidão. Esse problema só se tornou mais agudo na era do Facebook e do Twitter, embora pesquisadores e comentaristas hesitem em dizer que essas plataformas estão causando a solidão: é menos que o Facebook está impulsionando a atomização do que é um complemento perfeito e reforçador de crescimento solidão.

E sentindo-se solitário, os usuários do Facebook procuram naturalmente qualquer validação que possam obter. Neste, um estudo da Austrália é muito direto: “Os usuários do Facebook têm níveis mais altos de narcisismo, exibicionismo e liderança do que os usuários do Facebook. De fato, pode-se argumentar que o Facebook gratifica especificamente a necessidade do indivíduo narcisista de se envolver em comportamentos autopromocionais e superficiais ”.

Paradoxalmente, o comportamento solitário reforçado pelas mídias sociais não foi acompanhado por mais tempo para simplesmente ficar sozinho: a mídia social ajuda a garantir que não nos seja dado muito tempo para sentar com nossos pensamentos em auto-reflexão prolongada. Isso significa, por sua vez, que não somos pressionados a tolerar e negociar o tédio, amplamente reconhecido como uma conquista de desenvolvimento crucial. Mais uma vez, Turkle expressa eloqüentemente o problema: “sem solidão, em dias e noites de conexão contínua, podemos experimentar aqueles ‘momentos de mais’, mas vidas de menos”.

Diante de tudo isso, a alegação de Malmgren de que “os próprios usuários da plataforma representam a política ideal para um modelo democrático de governança” parece estranha. Como é que as pessoas acostumadas à falta de auto-reflexão, empatia e genuína conversação humana pelas próprias plataformas representam uma “política ideal para um modelo democrático de governança”? A governança democrática requer instituições que habituam as pessoas à deliberação democrática e à tomada de decisões, um processo que requer o tipo de “conversas difíceis” que Jane McAlevey encoraja. O Twitter é realmente capturado nesta descrição?

Tanto coceira e arranhão

Recentemente, popularizou-se um termo para o uso excessivo da internet que os gigantes digitais usaram há muito tempo para descrever seu objetivo desejado: o vício comportamental.

O vício comportamental é muito semelhante ao vício em substâncias: de acordo com Adam Alter, “elas ativam as mesmas regiões cerebrais e são alimentadas por algumas das mesmas necessidades básicas: engajamento social e apoio social, estimulação mental e um senso de eficácia. Mas o vício comportamental não carrega o mesmo estigma que o vício em substâncias. Aqui está o perigo: temos uma categoria de marginalização social para pessoas como viciados em heroína, e é impensável que todos nós participemos em algum grau nos supostamente socialmente marginais.

As empresas de tecnologia não têm essas reservas. Eles ativamente projetam seus produtos para serem “dignos de merda”, objetos de obsessão e vício. Somos encorajados, como em todas as coisas neoliberais, a assumir responsabilidade por nossos próprios hábitos. Mas como “especialista em design” e desertor do Vale do Silício, Tristan Harris, “não se reconhece que há mil pessoas do outro lado da tela cujo trabalho é quebrar qualquer responsabilidade que eu possa manter”.

Talvez não haja melhor sinal do perigo viciante dessas plataformas do que os ricos não deixarem seus filhos usá-los. Os gurus da tecnologia de Steve Jobs a Chris Anderson limitaram estritamente o tempo de seus filhos on-line e, enquanto as escolas públicas são inundadas com iPads para criar ambientes de “aprendizado híbrido” – a solução tecnológica para a escassez de professores – os engenheiros do Vale do Silício estão ansiosos para enviar seus filhos para escolas Waldorf particulares, sem aparelhos.

Como explica Alter, “as pessoas que produzem produtos de tecnologia” seguem “a regra fundamental do tráfico de drogas: nunca se empolgue com seu próprio suprimento”.

A falta de empatia, auto-reflexão e sociabilidade genuínas que são características do uso excessivo da mídia social podem ser entendidas como os sintomas de um tipo de vício, uma doença da qual os ricos são conhecedores e abastados o suficiente para inocular seus filhos. mas indiferente o suficiente para infectar todos os outros.

Essa visão deve, no entanto, ser complementada a partir da perspectiva social. Pois, além de produzir e reforçar uma ausência de conexão e humanidade, as plataformas de mídia social, como todas as drogas, prometem remediar a ausência de conexão e a humanidade que são endêmicas para a sociedade capitalista.

Como Wolfgang Streeck explica, na ausência de instituições coletivas, as estruturas sociais devem ser concebidas individualmente de baixo para cima. A vida social consiste em indivíduos construindo redes de conexões privadas em torno de si mesmas, da melhor maneira possível, com os meios que têm na mão. O estabelecimento de relações centradas na pessoa cria estruturas sociais laterais que são voluntárias e semelhantes a contratos, o que as torna flexíveis, mas perecíveis, exigindo “trabalho em rede” contínuo para mantê-las juntas e ajustá-las de maneira atual às mudanças das circunstâncias. Uma ferramenta ideal para isso são as “novas mídias sociais” que produzem estruturas sociais para os indivíduos, substituindo formas obrigatórias de relações sociais voluntárias e redes de usuários para comunidades de cidadãos.

Os males das mídias sociais são, portanto, não apenas problemas; eles também são “soluções” para problemas sociais historicamente específicos e muito maiores. Na ausência de programas sociais universais e laços comunitários tradicionais, “a vida social em uma era de entropia é necessariamente individualista”, e a mídia social é a estrutura perfeita para acomodar essa orientação anti-social. Alivia o isolamento e a desumanidade de viver na sociedade capitalista, ao mesmo tempo que contribui para esse isolamento e desumanidade. Como a coceira, ela fornece uma forma de alívio que, no final das contas, apenas agrava o problema.

Uma ameaça iminente

Não é preciso muito para convencer alguém dos vários efeitos negativos do uso de mídias sociais, mas eles são frequentemente descartados como subprodutos infelizes de uma tendência que é, no todo, positiva. “Claro, as pessoas fazem coisas bobas no Twitter e, sim, talvez gastemos muito tempo conversando umas com as outras por meio do DM em vez de pessoalmente. Mas a mídia social também nos mantém informados e conectados de maneiras historicamente novas ”. Mesmo os críticos mais incisivos das mídias sociais existentes têm o cuidado de evitar a condenação direta:“ há coisas boas nas mídias sociais, é claro ”.

Se levarmos a sério as afirmações dos estudos mencionados acima, no entanto, não é suficiente dizer que as mídias sociais têm suas “desvantagens”. O quadro geral aqui apresentado é de uma crise de saúde mental – e, de fato, uma que não é causada por , pelo menos reforçada pelas próprias plataformas.

De acordo com Malmgren, “depressão, ansiedade, ódio, medo e inverdades conspiratórias são todos resultados aceitáveis ​​[para os monopólios da plataforma], desde que sejam expressos, conscientemente ou não, a serviço do crescimento.” Embora isso seja indubitavelmente verdade, ele toma este fato para implicar que libertar essas plataformas do lucro e colocá-las dentro do domínio do controle democrático resolveria os problemas que ele enumera.

A conclusão contrastante aqui é dupla: primeiro, que simplesmente ser colado a telas para se engajar em interações “sociais” prescritas é em si um fenômeno preocupante, independentemente de estar ou não a serviço do lucro, e segundo, esse fenômeno é uma manifestação direta da alienação que experimentamos no capitalismo. A geração de lucro, em outras palavras, não é a única maneira pela qual as mídias sociais servem ao capitalismo.

Para a esquerda, então, a mídia social apresenta uma ameaça iminente: ela atrai pessoas que são a base natural da política socialista e as absorve no narcisismo irrefletido do pronunciamento de declaração pseudo-política, onde elas entram no ciclo de feedback negativo que as distancia do realidade do envolvimento humano cotidiano.

O Twitter não é apenas um meio de expressão para as “patologias psíquicas” do que Mark Fisher descreveu tão bem quanto o “Castelo dos Vampiros”. É o Castelo dos Vampiros, fazendo o trabalho do capitalismo atomizando e distanciando as pessoas dos tipos de conversação exigidos. para engajamento político real. Quanto mais cedo percebermos isso sobre a mídia social, mais cedo poderemos chegar ao trabalho de desmontá-la.

Comentários