Jovem líder do MST assassinado na Bahia

O governador da Bahia, Rui Costa (PT) determinou à Secretaria de Segurança Pública do estado “a imediata e rigorosa apuração do crime” e lamentou a morte do companheiro de partido, “conhecido pela firme luta em defesa da igualdade social.”

Será sepultado nesta sexta-feira (26), em Vitória da Conquista (BA), o dirigente do Movimento Sem Terra e militante do Partido dos Trabalhadores Márcio Matos Oliveira, assassinado aos 33 anos no assentamento Boa Sorte do Una, no município de Iramaia (BA), na frente do filho Jadiel, de 6 anos, na noite de quarta-feira (24).

Márcio Matos era um ativo militante pela reforma agrária e uma das expressões da juventude do movimento na Bahia. Em entrevista ao site do MST, em janeiro de 2017, ele definiu essa condição: “Ser Sem Terra é ser rebelde por natureza e não ficar inerte diante da situação que o país se encontra”.

Militante exemplar
Márcio era assentado da reforma agrária em Boa Sorte do Una e ocupava uma secretaria na prefeitura de Itaetê (BA), a 30 km de distância. Natural de Vitória da Conquista — era filho do ex-prefeito Jadiel Matos (1973-1977) — tornou-se uma conhecida liderança do MST na Chapada Diamantina.

O líder da Bancada do PT no Senado Federal, Lindbergh Farias (PT-RJ), manifestou expectativa de que o crime seja esclarecido e “lamentou a morte de uma liderança jovem, que repete as situação de violência social e política que vem aumentando no país após o golpe de Estado”.

O PT manifestou solidariedade à família, lamentou o assassinato e cobrou a rápida apuração deste crime, para que os responsáveis sejam punidos. “Márcio foi um militante da classe trabalhadora, forjado a partir da luta pela terra e dirigente combativo do Partido dos Trabalhadores no estado”, afirma a nota oficial assinada pela presidenta nacional da legenda, senadora Gleisi Hoffmann (PR) e pelo secretário nacional de Movimentos Populares, Ivan Alex de Lima.

“Marcio Matos foi um militante exemplar”, lembrou o deputado federal Valmir Assunção (PT-BA), ligado ao movimento. “Neste dia triste para a democracia brasileira [referindo-se à condenação do ex-presidente Lula pelo TRF-4], perder Marcinho é desolador.”

Ainda sem detalhes
Márcio foi morto a tiros na porta de casa e o autor ou autores dos disparos ainda não foram identificados. Não há detalhes sobre as circunstâncias do crime, nem sobre autoria e motivação. Segundo polícia, a hipótese de latrocínio já está descartada, pois nada foi levado da casa da vítima.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT) determinou à Secretaria de Segurança Pública do estado “a imediata e rigorosa apuração do crime” e lamentou a morte do companheiro de partido, “conhecido pela firme luta em defesa da igualdade social.”

Incra se manifesta
Nesta quinta-feira (25), a Ouvidoria Agrária Regional do Incra/BA oficiou a Ouvidoria Agrária Nacional e a Coordenação do Grupo Especial de Mediação de Acompanhamento de Conflitos Agrários e Urbanos (Gemacau), setor que integra a Secretaria de Segurança Pública (SSP), solicitando informações sobre o crime, e relatando o ocorrido.

O Incra divulgou também que “solidariza-se com a família de Marcio Matos e aguarda o resultado das investigações e a devida responsabilização dos culpados”.

Fonte: PT no Senado

 

Comentários